Seguidores

quarta-feira, fevereiro 06, 2013

Pra que servem as mãos...

Para que servem as mãos?
As mãos servem para pedir, prometer, chamar, conceder,
ameaçar, suplicar, exigir, acariciar, recusar, interrogar, admirar,
confessar, calcular, comandar, injuriar, incitar, teimar, encorajar,
acusar, condenar, absolver, perdoar, desprezar, desafiar, aplaudir,
reger, benzer, humilhar, reconciliar, exaltar, construir, trabalhar, escrever...As mãos de Maria Antonieta, ao receber o beijo de Mirabeau, salvou o trono da França e apagou a auréola do famoso revolucionário;
Múcio Cévola queimou a mão que, por engano não matou Porcena; foi com as mãos que Jesus amparou Madalena; com as mãos David agitou a funda que matou Golias; as mãos dos Césares romanos decidiam a sorte dos gladiadores vencidos na arena; Pilatos lavou as mãos para limpar a consciência; os anti-semitas marcavam a porta dos judeus com as mãos vermelhas como signo de morte!
Foi com as mãos que Judas pôs ao pescoço o laço que os outros Judas não encontram.
A mão serve para o herói empunhar a espada e o carrasco, a corda; o operário construir e o burguês destruir; o bom amparar e o justo punir; o amante acariciar e o ladrão roubar;
o honesto trabalhar e o viciado jogar.
Com as mãos atira-se um beijo ou uma pedra, uma flor ou uma granada, uma esmola ou uma bomba!
Com as mãos o agricultor semeia e o anarquista incendeia!
As mãos fazem os salva-vidas e os canhões; os remédios e os venenos; os bálsamos e os instrumentos de tortura, a arma que fere e o bisturi que salva.
Com as mãos tapamos os olhos para não ver, e com elas protegemos a vista para ver melhor.
Os olhos dos cegos são as mãos.
As mãos na agulheta do submarino levam o homem para o fundo como os peixes; no volante da aeronave
atiram-nos para as alturas como os pássaros.
O autor do “Homo Rebus” lembra que a mão foi o primeiro prato para o alimento e o primeiro copo para a bebida; primeira almofada para repousar a cabeça, a primeira arma e a primeira linguagem.
Esfregando dois ramos, conseguiram-se as chamas.
A mão aberta,acariciando, mostra a bondade; fechada e levantada mostra a força e o poder; empunha a espada a pena e a cruz!
Modela os mármores e os bronzes; da cor às telas e concretiza os sonhos do pensamento e da fantasia
nas formas eternas da beleza.
Humilde e poderosa no trabalho, cria a riqueza; doce e piedosa nos afetos medica as chagas, conforta os aflitos e protege os fracos.
O aperto de duas mãos pode ser a mais sincera confissão de amor, o melhor pacto de amizade ou um juramento de felicidade.
O noivo para casar-se pede a mão de sua amada;
Jesus abençoava com a s mãos; as mães protegem os filhos cobrindo-lhes com as mãos as cabeças inocentes.
Nas despedidas, a gente parte, mas a mão fica, ainda por muito tempo agitando o lenço no ar.
Com as mãos limpamos as nossas lágrimas e as lágrimas alheias.
E nos dois extremos da vida, quando abrimos os olhos para o mundo e quando os fechamos para sempre ainda as mãos prevalecem.
Quando nascemos, para nos levar a carícia do primeiro beijo, são as mãos maternas que nos seguram o corpo pequenino.
E no fim da vida, quando os olhos fecham e o coração pára, o corpo gela e os sentidos desaparecem, são as mãos, ainda brancas de cera que continuam na morte as funções da vida.
E as mãos dos amigos nos conduzem…
E as mãos dos coveiros nos enterram!

 (Ghiaroni)

7 comentários:

  1. Boa noite Dora Regina, gostei muito de sua postagem, falar das mãos e o significados delas em nossa vida é maravilhoso, pois não podemos fazer nada sem nossas mãos. E é com elas que agora escevo-lhe desejando muitas benção de Deus. Um aperto de mão caloroso. Regina.

    ResponderExcluir
  2. Dora, vim agradecer a sua presença em meu espaço depois de muito tempo ausente...
    ... as mãos que acariciam, são as mesmas que ensinam quando necessárias...

    Um grande abraço!

    Leandro Ruiz

    www.bymeandthetime.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Olá, querida Dora
    As mãos são operantes do Bem... pena que não lhe demos o devido valor!!!
    To voltando das férias...
    Bjs fraternos de paz e alegria

    ResponderExcluir
  4. Excelente reflexão. As mãos tudo podem, mas dependem do coração.
    Beijinhos
    Maria

    ResponderExcluir
  5. Mauro Martins Santos26 de fevereiro de 2013 23:22

    Seu blog, Dora, é daquele tipo, como deveriam ser todas as coisas do mundo. Busca o essencial para engrandecer os pequeninos, não porque assim querem ser, mas porque são diminuídas pela sofisticação, pelo luxo, pelos tapetes vermelhos que encontram logo à entrada. Daí ficam acanhados e pensam que não é seu lugar. Este blog, se faz simples,para os pequenos, e grande para aqueles que têm o coração do tamanho da partilha, da participação. Textos escolhidos de forma a tocar direto qualquer coração. Textos não feitos para só acadêmicos, mas para todos aqueles que querem se deleitar com a suave emoção de sentir o que é belo. Parabéns, conte comigo amiga Dora. Um beijo e um abraço fraterno.

    ResponderExcluir
  6. Mauro Martins Santos - ///@//RO28 de fevereiro de 2013 18:47

    MÃOS.
    DISSE O "VELHO" ULISSES GUIMARÃES. QUE POR UMA IRONIA DA EXISTÊNCIA HUMANA, CAIU NO MAR E NUNCA MAIS SEU CORPO FOI ENCONTRADO. MAS DISSE ELE:
    - "AS MESMAS MÃOS QUE CERRAM OS OLHOS DOS MORTOS DEVERIAM SER AS MESMAS A BRIR OS OLHOS DOS VIVOS."
    Depreendo dessas sabias palavras, que nós os escritores, poetas - literatos em geral - temos uma missão sagrada na terra e na eternidade. Penso, se os escritores da Bíblia Sagrada, não tivessem escrito cada um sua parte, não conheceríamos o Eterno Criador, não teríamos o Filho Divino nos corações e não viveríamos a benção do poder do Espírito Santo em nossas vidas. Portanto, escritor, poeta, literato, sua missão na Terra não é pouca! Tem quando eivada da Graça,uma missão: conduzir almas a pensar e se afastar dos abismos...

    ResponderExcluir
  7. Olá, querida Dora
    Vim te trazer um mimo com todo o meu carinho:

    http://amigosdeblogagemcoletiva.blogspot.com.br/2013/02/dora-regina.html

    Bjm de paz e bem

    ResponderExcluir

Obrigada por comentar! Fique a vontade para voltar outras vezes.
Para mim será sempre uma alegria renovada.